Simulação virtual garante alta performance de projetos

14th August 2018
Source: FAPESP
Posted By : Enaie Azambuja
Simulação virtual garante alta performance de projetos

A Tau Flow, startup prestadora de serviços de engenharia computacional, em Campinas, oferece ao mercado soluções matemáticas customizadas que permitem otimizar o desempenho de projetos. A empresa utiliza a fluidodinâmica computacional (CFD) para fazer a “prototipagem virtual” de qualquer processo ou ambiente em que haja a presença de fluidos (líquidos e/ou gasosos).

“A prototipagem é feita com base em dados sobre velocidade, pressão, temperatura, concentração e propriedades turbulentas de fluidos, que são analisados por meio de modelos matemáticos baseados nos princípios de conservação de massa, energia e quantidade de movimento no domínio do espaço e tempo”, explica Marcílio José Caetano, sócio da empresa.

A fluidodinâmica computacional e a prototipagem virtual substituem métodos da engenharia convencional e a velha técnica da “tentativa e erro”, que consome tempo e dinheiro. “Trata-se de uma simulação. O projeto é colocado em modelo 3D e cálculos matemáticos permitem identificar falhas e oferecer soluções, reduzindo gastos, tempo e aumentando a rentabilidade para o cliente”, resume Caetano.

A Fórmula 1, por exemplo, utiliza a CFD para o desenvolvimento aerodinâmico de seus carros de forma a obter melhor desempenho dos veículos e reduzir custos com consumo de combustível. “No Brasil, no entanto, a CFD é pouco acessível, em função do preço e da exigência de mão de obra especializada.”

“Desde o início, a nossa ideia era baratear custos e ampliar o mercado para a CFD”, afirma Caetano. A Tau Flow tem clientes na indústria de cosméticos, na petroquímica, metalmecânica, logística e de alimentos. Recentemente, utilizou a tecnologia na avaliação do projeto de instalação de galpões da Amazon, em Cajamar, no Estado de São Paulo, e do desempenho de equipamentos da mineradora Haver & Boecker, no Canadá.

“Vamos atrás dos ‘milissegundos’ que o cliente precisa para atuar em alta performance no mercado em que estão inseridos. Buscamos entender, diagnosticar, criar cenários e desenvolver soluções que tenham como objetivo otimizar processos e projetos”, diz Caetano.

A empresa foi criada no final de 2015 por três engenheiros – um eletricista, um civil e um químico –, instalando-se na Incubadora de Empresas de Base Tecnológica da Unicamp (Incamp). Os sócios desenvolveram a metodologia com o software CFD, mas tinham planos de criar também uma ferramenta que coletasse os dados a serem prototipados.

No mesmo ano submeteram ao Programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE) um projeto que envolvia análise termodinâmica para o aumento de produtividade em criadouros de animais.

A ideia era fazer um kit que, além da CFD, incluísse também um anemômetro multicanal – instrumento utilizado para medir a velocidade de fluidos –, com capacidade de coletar dados de velocidade do ar e temperatura.

Por meio da simulação numérica computacional seria possível analisar o melhor layout para a instalação de sistema de climatização de criadouros, garantindo maior eficiência na circulação de ar e controle térmico mais preciso, explica Caetano.

A ideia foi testada na fase 1 do PIPE, encerrada em agosto de 2017. Durante a realização da pesquisa, o projeto foi um dos 15 selecionados para participar do programa de treinamento Leaders in Innovation Fellowships Programme (LIF), realizado no Reino Unido de 16 a 27 de outubro de 2017.

O programa é uma parceria da Royal Academy of Engineering com a FAPESP no âmbito do Newton Fund – fundo de fomento à pesquisa e inovação em países emergentes do governo do Reino Unido.

"O treinamento foi extremamente válido, pois nos deu uma nova percepção do nosso próprio negócio, uma visão mais comercial para o que fazemos e menos acadêmica, fazendo com que nosso processo de venda fosse mais bem estruturado."

Entre outras atividades, o programa LIF ofereceu à empresa consultoria da Universidade de Oxford. "A consultoria durou três meses, durante os quais eles mapearam o mercado europeu, norte americano e asiático para a nossa solução desenvolvida no projeto da FAPESP. E essa mesma consultoria irá nos nortear na internacionalização", contou Caetano.

Antes mesmo de concluir a fase 1 do projeto PIPE, a empresa teve dois projetos selecionados na primeira edição do programa Mining Lab da Votorantim Metais. O primeiro, na área de nanotecnologia, propõe o aumento do rendimento da recuperação das nanopartículas de zinco com uso da fluidodinâmica computacional.

O segundo também utiliza CFD para modelar e simular o forno do óxido de zinco e para identificar os fatores que geram as perdas no processo, propondo soluções para o aumento da eficiência energética.

A empresa se prepara, agora, para o desenvolvimento propriamente dito da solução de monitoramento e gestão de criadouro de animais, recentemente aprovada na fase 2 do PIPE.

Enquanto isso, Caetano e seus sócios seguem otimistas com as perspectivas de mercado para a tecnologia CFD. O desafio é a precificação do serviço. “Operamos com preço fixo e taxa de sucesso. Como o risco é da Tau Flow e a melhoria, se implementada, trará mais rentabilidade para o cliente, a remuneração por taxa de sucesso é mais adequada. Mas o mercado brasileiro, em geral, ainda olha com desconfiança para essa modalidade de pagamento.”


Você deve ser logado para comentar

Escreva um comentário

Sem comentários




Inscreva-se para ler nossas publicações

Inscreva-se

Inscreva-se para ver nossos downloads

Inscreva-se

IoT Solutions World Congress 2018
16th October 2018
Spain Barcelona
Engineering Design Show 2018
17th October 2018
United Kingdom Ricoh Arena, Coventry
Maintec 2018
6th November 2018
United Kingdom NEC, Birmingham
electronica 2018
13th November 2018
Germany Messe Munchen
SPS IPC Drives 2018
27th November 2018
Germany Nuremberg