Material reduz custo de célula combustível

28th August 2018
Posted By : Enaie Azambuja
Material reduz custo de célula combustível

As células combustíveis são dispositivos que convertem energia química em energia elétrica, transformando, por meio de eletrodos e eletrocatalisadores, hidrogênio em eletricidade. Esses eletrodos são feitos de platina, um metal muito raro, que encarece o custo de produção do equipamento. Por esse motivo, uma pesquisa com participação da Escola Politécnica (Poli) da USP propõe o uso de eletrodos impressos com materiais de menor custo e desempenho similar ao da platina.

O método permitirá aumentar a escala de produção e viabilizar economicamente a geração de energia por células combustíveis.

“Hoje em dia, as fontes de energia não renováveis têm o problema de apresentarem um elevado custo ambiental”, afirma Lucas Fugita, aluno de graduação em Engenharia Química da Poli, que participou da pesquisa.

“Uma das alternativas é o método das células combustíveis, equipamentos que convertem energia química em energia elétrica, como as pilhas e baterias químicas. De maneira simplificada, uma célula combustível ácida utiliza hidrogênio (H2) como combustível e oxigênio (O2) como oxidante para produzir água e corrente elétrica.”

As células combustíveis possuem um eletrodo que em contato com a água provoca uma Reação de Evolução de Hidrogênio (HER), produzindo hidrogênio gasoso (H2). “Esse eletrodo usualmente é feito de platina, um metal nobre e raro, o que torna a produção de energia muito dispendiosa”, ressalta o pesquisador.

“Por isso, a pesquisa propõe a utilização de eletrodos impressos, uma técnica conhecida como Screen Printed Electrode (SPE).” 

A técnica utiliza uma impressora onde são inseridos os moldes a serem preenchidos com tinta, gravando os eletrodos sobre uma base plástica. “Inicialmente foi aplicada uma tinta feita com carbono, porém os eletrodos necessitavam de muito mais energia que a platina”, relata Fugita.

“Depois foram testadas outras composições de tinta, e o dissulfeto de molibdênio (MoS2) conseguiu aumentar a densidade da corrente elétrica e diminuir a energia necessária para iniciar a reação do hidrogênio, com desempenho similar à platina.”

Durante o processo de impressão, uma camada de MoS2 é depositada no eletrodo, e sua espessura depende do tempo de deposição. “Para descobrir qual era a espessura ideal, vários tempos de deposição foram testados, de 7,5 a 120 minutos”, aponta o pesquisador.

“Ao final dos experimentos, descobriu-se que com 45 minutos de deposição acontecia o menor potencial de início de reação e a maior densidade de corrente, otimizando o funcionamento do eletrodo.”

Na pesquisa também foram experimentadas diferentes concentrações de MoS2, até se verificar que a tinta com 10% do composto também reúne as condições ideais de potencial e densidade para fazer a reação.

“O uso da impressora permite que se possam produzir vários eletrodos de uma só vez”, ressalta Fugita. “O uso de um material de menor custo, com performance similar à platina, e a fabricação em escala industrial poderão viabilizar economicamente o emprego de células combustíveis para produzir energia.”

Saiba mais.


Você deve ser logado para comentar

Escreva um comentário

Sem comentários




Inscreva-se para ler nossas publicações

Inscreva-se

Inscreva-se para ver nossos downloads

Inscreva-se

Sensor+Test 2019
25th June 2019
Germany Nürnberg Messe
DSEI 2019
10th September 2019
United Kingdom EXCEL, London
European Microwave Week 2019
29th September 2019
France Porte De Versailles Paris
Engineering Design Show 2019
16th October 2019
United Kingdom Ricoh Arena, Coventry
ELIV 2019
16th October 2019
Germany Bonn World Conference Center