Marco legal fortalece inovação e parcerias internacionais

13th June 2018
Posted By : Enaie Azambuja
Marco legal fortalece inovação e parcerias internacionais

Um decreto de fevereiro deste ano regulamenta o Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação, trazendo a expectativa de que possa desburocratizar as atividades de pesquisa e inovação no País, simplificar os convênios para promoção da pesquisa pública e fortalecer a internacionalização de instituições científicas e tecnológicas.

Evento realizado na Reitoria da USP, discutiu a lei, explicando os detalhes e a importância da sua regulamentação, que deve incrementar a promoção de ecossistemas de inovação, diversificar instrumentos financeiros de apoio à inovação e permitir maior compartilhamento de recursos entre entes públicos e privados.

É esperada ainda a simplificação de procedimentos de importação de bens e insumos para pesquisa, além de novos estímulos para a realização de encomendas tecnológicas e maior flexibilidade no remanejamento entre recursos orçamentários.

Um dos palestrantes, professor Álvaro Toubes Prata, explicou que o Decreto Federal nº 9.283 é resultado da revisão de outras nove leis, trazendo clareza e segurança jurídica. Ele, que é secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento, do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTI), ressalta que a regulamentação é necessária porque a lei apenas legislava o que podia ser feito, mas sem explicar como.

Focando a necessidade de inovação, Prata comenta que o Brasil faz uma ciência de qualidade, mas tem dificuldade em utilizá-la a favor da economia e da sociedade em geral. “Ocupamos a 69ª posição no Índice Global de Inovação e a 81ª no Índice de Competitividade Global”, lamenta ele.

Para o professor da Universidade Federal de Santa Catarina, “não somos competitivos porque o Brasil, sendo ainda um país desigual, possui outras prioridades e urgências”.

Por fim, ele destaca o que julga necessário para um cenário de inovação: “conhecimento científico e tecnológico, cientistas, pesquisadores e empreendedores”. É preciso ainda uma boa infraestrutura, com laboratórios, instalações e equipamentos. E recursos financeiros, públicos e privados.

Quanto ao financiamento público, em sua opinião, estamos bem; “os recursos privados é que são o nosso calcanhar de Aquiles”, diz. E acrescenta: “Precisamos de segurança jurídica, administrativa, política, econômica e social, e também de estímulos para competitividade”.

Segundo o secretário do MCTI, entre os próximos passos estão a edição de atos subsequentes (portarias, resoluções, normas e formulários), a criação de manuais para os usuários, a uniformização mínima de interpretação jurídica e uma ampla divulgação.

Fernando Dias Menezes de Almeida, professor da Faculdade de Direito (FD) da USP, detalhou os aspectos legais do marco federal e da legislação que já existia no Estado de São Paulo, se concentrando nos desafios da implementação do decreto.

Ele lembra que a lei estadual regulava muitos itens de maneira semelhante à federal e, embora muitas possibilidades já estivessem abertas no Estado, poucas eram aproveitadas. Assim, esclarece Almeida, em São Paulo o marco federal tem principalmente um sentido didático.

Em fala ao Jornal da USP, o docente, que também é diretor administrativo da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), reforçou que o decreto atinge especialmente entidades da administração pública federal.

“Nós já praticávamos aqui [em SP] e podemos continuar praticando, especialmente a Universidade, que tem um grau maior de autonomia. Diversas dessas medidas que a lei já previa, por exemplo, uma facilitação de parcerias para o desenvolvimento de pesquisa e inovação com entidades do mundo privado; a dispensa de licitação para a compra de insumos para projetos de pesquisa; contratação de serviços também no âmbito de projetos e pesquisas; benefícios para pesquisadores que participem do processo de inovação e que eventualmente tenham interesse em se tornar empreendedores das próprias criações das quais participaram. Há uma série de medidas na lei que esse decreto veio concretizar.”


Você deve ser logado para comentar

Escreva um comentário

Sem comentários




Inscreva-se para ler nossas publicações

Inscreva-se

Inscreva-se para ver nossos downloads

Inscreva-se

European Microwave Week 2018
23rd September 2018
Spain Ifema Feria De Madrid
IoT Solutions World Congress 2018
16th October 2018
Spain Barcelona
Engineering Design Show 2018
17th October 2018
United Kingdom Ricoh Arena, Coventry
Maintec 2018
6th November 2018
United Kingdom NEC, Birmingham
electronica 2018
13th November 2018
Germany Messe Munchen